Isso não é um poema

1.

Da rede que fica pendurada na sacada vejo folhas agitadas. Flambadas pelo vento. As badaladas contam doze. E eu derreto.

2.

Sento num café e finjo que sou poeta.

Nada do que escrevo presta.

E já acabou a fome.

3.

Ela diz que pra vir o tesão eu devo toca-la na bunda.

Às vezes penso que ela é de mentira.

4.

Abelha perde abdômen

em prol da rainha.

O dedo dói.

Mas a Coca é minha.

Só minha.

Anúncios
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: