Arquivo para setembro \26\UTC 2011

Cinema. Sozinho ou acompanhado?

Ir ao cinema sozinho é diferente de ir ao cinema acompanhado. Ir ao cinema acompanhado é diferente de ir ao cinema acompanhado.

Existem diversas modalidades de ir ao cinema acompanhado. você pode ir com a sua namorada. Você pode ir com um amigo. Você pode ir com a gata do curso de inglês (aquela que te considera o melhor amigo dela).

Se você for ao cinema com a namorada você pode assistir ao filme ou não. Tudo depende do estágio do namoro. Se estiverem juntos há pouco tempo, o cinema vai ser desculpa pros amassos. Mas, se for um namoro mais longo, aí vocês vão ver o filme todo e se pegar depois. Principalmente se você tiver mais de dezoito, grana ou um sogro legal. Com mais de dezoito e grana você pode ter um carro, um apartamento só seu, ou levar sua namorada pra um motel. Com um sogro legal você não precisa ter nada disso e pode usar o quarto dela. A vantagem de poder assistir o filme com a namorada e deixar os amassos pra mais tarde é que aí não tem chance de você ser chamado de tarado por alguma velhinha aposentada que não sai do cinema.

Ir ao cinema com um amigo é legal, mas pode ser um saco. Depende do amigo. Pode ser que ele seja meio lerdo e que nunca entenda nada. Aí vai passar o tempo todo te perguntando coisas do tipo: “Mas, calma aí, esse cara é aquele mesmo que beijou aquela loira no começo?” Ou, pior, ele pode ser daquele tipo que fica tentando adivinhar a fala dos personagens. Ele erra quase sempre, mas quando acerta te cutuca e dá uma risadinha com cara de “Tá vendo como eu sou esperto?”. “Puta que pariu” você vai pensar.

Ir ao cinema com a sua amiga gata do inglês pode gerar dilemas existenciais. É que você vai tentar beijá-la. Será que ela vai te beijar de volta? Pode ser que sim. Nesse caso você não vai ver o filme. Tudo bem. Afinal, essa não era a ideia mesmo. Só que pode ser que ela não te beije. Pior, pode ser que ela diga que não vai te beijar porque te considera o amigo menina dela. Ela vai falar isso sem saber que essa é a coisa mais sem noção que a gata do inglês pode falar pra um cara. Nessa hora você vai ficar sem saber se levanta e vai embora, se tenta insistir, ou se assiste ao filme até o fim e aceita o título de amigo menina da gata do inglês. Saiba desde já que aceitar esse título significa que ela vai te contar sobre todos os caras que ela sair. Minha opinião? Melhor é partir pra outra.

Além dessas existem infinitas outras modalidades de ir ao cinema acompanhado. Você pode ir com o seu irmão, com a sua avó, com teu primo do interior que só gosta de filme ruim, mas, como na cidade dele não tem cinema, você deixa sempre ele escolher. Não vou continuar dando exemplos, mas você pode pensar aí em outras opções de ir ao cinema acompanhado.

Já ir ao cinema sozinho é ir ao cinema sozinho e ponto final. Tem gente que não gosta de ir ao cinema sozinho. Acha uma coisa meio deprê. Meio loser… Eu discordo. Eu gosto de ir ao cinema sozinho. É que, sozinho, sem ninguém pra conversar naqueles minutos infinitos pré filme, só o que resta a ser feito é observar. E tem muita coisa interessante pra se observar num cinema. Você pode tentar descobrir se aquele casal sentado na sua frente é um casal de namorados, ou se é o cara saindo com a gata do inglês, pode até ser que você presencie o momento em que ele é chamado de amigo menina. Coitado.

Outro tipo de observação legal pra se fazer quando se vai ao cinema sozinho é a reação das pessoas no final do filme.

No Melancolia, por exemplo, pude esperar todos levantarem. E observar a reação de cada um. Silêncio total. Nenhuma palavra. Nem mesmo do grupo de adolescentes barulhentos sentados na última fileira. As pessoas levantaram, tristes. Eu Também estava triste. Levantei logo atrás delas. E fomos todos descendo em direção a saída como num cortejo. Cabisbaixos e melancólicos. Os casais de namorados estavam de mãos dadas, mas não se olhavam. A velhinha aposentada que foi ao cinema com a neta enxugava uma lágrima.

Só quando saímos da sala e surgiu a luz forte do hall de entrada do Espaço Unibanco é que as pessoas voltaram a falar. a velhinha abraçou a neta. Os adolescentes barulhentos jogaram pipoca um no outro. Os namorados se beijaram, e eu fiquei com a sensação de que aquela última cena vai ficar pra sempre na memória. Colocando o Lars von Trier ao lado de Almodovar, Kubrick, Tarantino no espaço reservado pra cinema dentro das minhas sinapses.

Quem ainda não viu, veja. Mas escolha bem a companhia. Nem que ela seja você mesmo.